Páginas

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

FATOS E FEITOS I



Dias atrás iniciamos esta série seria, tratado do tema acima, hoje vamos tentar das uma continuidade a coisa, mas cuidando de um assunto para muitos irrelevante, mas para este escriba mui significativo, tendo em vista o que ocorre no mundo “envangélico”.

“IGREJA” ou seria Ingreja?

;Vamos principiar pelo principio sem temer ser redundante, o quê na verdade quer dizer igreja?

Vamos ao dicionario:
Igreja : s. f. 1. Templo dedicado ao culto cristão. 2. Conjunto de fiéis unidos pela mesma fé e sujeitos aos mesmos guias espirituais. (Michaellis)
Aí está, duas definições, que no caso de que vou tratar prefiro ficar com a segunda, uma vez que a primeira sem a segunda nada mais é do que uma edificação com características especificas e nada mais do que isso.

Dai o escrevinhador aqui acreditar que a segunda definição é mais abrangente e completa, até em razão de que quando os escritores das epístolas ao se referirem aos que havia abraçado o seguir o Caminho a Verdade e a vida, assim eram chamados, se não vejamos:

Dê uma olhadinha alé em Gálatas 1; 13,, se considerarmos igreja dentro da primeira definição do dicionario acima exposta, Paulo estaria perseguindo as sinagogas ou casas ?    Ou estaria perseguindo as pessoas que se reuniam na residencias daqueles que se reuniam unidos pela mesma fé na salvação revelada em Jesus Cristo?

Então tá.é só isso...

Eu só queria entender, saibam que de conformidade com as Escrituras Sagradas, Deus também ama aos Desadunados.

 a.du.nar
v. Tr. dir. Congregar,

V.D.M.I.Ae.


domingo, 6 de dezembro de 2015

LIBERDADE, O QUE É ISSO?





li.ber.da.de

s. f. 1. Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. 2. Condição do ser que não vive em cativeiro. 3. Condição de pessoa não sujeita a escravidão ou servidão. 4. Independência, autonomia. 5. Ousadia. 6. Permissão. 7. Imunidade. S. f. pl. 1. Regalias, franquias, imunidades, privilégios concedidos aos cidadãos pela constituição do país ou de que goza um país, uma divisão dele, uma instituição etc. 2. Familiaridade importuna; atrevimento, confiança: Tomar liberdades com alguém.

Desde já há algum tempo tenho ocupado minha mente em tentar entender o quê na verdade é essa tal de liberdade, tão almejada e tão buscada por todos.

Interessante é que ao longo de todas as órbitas percorridas, já são setenta e cinco e quatro meses, nossa visão de liberdade se apresenta multifacetada em decorrência de nossa idade..

Outra constatação é que essa ideia, sensação, ou aparência de liberdade sofre restrições maiores e ou menores, sobretudo no seio da família, coisa que nem sempre naquele dado momento entendemos ou aceitamos.

A idade mais avançada, quando o cérebro e a memória pode nos acudir, conseguimos enxergar a liberdade como algo bem palpável e diria eu com uma certa arrogância, imprescindível para a consecução da vida, não somente a nossa mas a de todos e tudo o que nos cerca e tem em si esse dom fabuloso a que chamamos vida.

Como na colocação logo ali em cima, uma definição obtida de um dicionário no caso o Michaelis, podemos verificar a sua complexidade para a compreensão do que venha a ser verdadeiramente a liberdade.

Neste muito pensar fui levado a comparar o conceito liberdade ao ar que nos cerca, não o vemos, mas vez por outra sentimos o seu frescor em nossa pele atordoada pelo calor intenso ou o súbito arrepio enregelado pelo frio da brisa que nos atinge.

Sabemos da sua importância fundamental para o ser humano animais, vida vegetal, para os mares e seus habitantes, sabemos o quão importante é mantê-lo livre de inquinamentos, para a manutenção da vida

A liberdade não existe quando estamos sujeitos a qualquer sorte de submissão domínio, imposições; quando conversei sobre este aspecto da liberdade com uma de minhas netas obtive como contraposição a pergunta:

-Então qual a razão de tantas regras?

Não respondi de pronto mas pedi que ela mesmo me desse algumas implicações que ela mesma achava do porque disso.

Socorreu-lhe a memória com a lembrança de algumas aulas de filosofia e com a compreensão de que necessariamente as regras nem sempre são restritivas de liberdade.

A liberdade pressupõe normalidade, eliminação de óbices para a consecução da vida, necessidades que garantam a própria existência dessa mesma liberdade.

A total ausência de normas para a vida, implicará fatalmente em caos, anarquia, desvios, elementos esses que contrariam a definição e a compreensão de liberdade.

Pode existir liberdade sem normas?
Não seria isso um contrassenso?


Por óbvio que não; tudo o que existe de visível em nosso mundo todo, está sujeito a uma lei uma norma regulatória, a um planejamento ou se quisermos, no mundo natural a uma lei previamente estabelecida.

Essa lei que a ciência em seus estudos tenta desvendar e ou entender.

Na convivência humana ou de grupos humanos havemos de ter essas regras escritas ou não, para que a vida possa se desenvolver de maneira harmônica.

Quando nos reunimos em grandes grupos damos o nome a essas regras civilizatórias guardiãs da liberdade interpessoais do grupo, constituição, assim poderão aparecer regras restritivas de comportamento individuais em favor do grupo.

Essas regras assim constituídas devem apenas preservar algumas situações que balizem o caminho a ser seguido, limitando os desmandos evidentes e a própria preservação da liberdade.

Me ocorre neste momento a memória as modificações que foram introduzidas sub-repticiamente nas praticas da igreja a que frequentava.

Os leigos se ocupavam de atividades na igreja, que como era administrada de forma conciliar, os elegiam a cada ano para o exercício da atividade, assim tínhamos : O guia leigo, os ecônomos, o superintendente da ED. os professores das varia classes de alunos, houve um tempo que alguém em um concílio introduziu a ideia de “Dons e ministérios”, parece coisa pouca, mas subverteu o sentido até então vigente de estar “prestando um serviço a comunidade de fé, para o sentido de estar a serviço no exercício de uma atividade para qual fora eleito por Deus e o orgulho de exercer um ministério.

Bobagens! Mas foi o fulcro da criação de feudos pessoais e ou familiares, e com isso introdução de doutrinas espúrias do pentecostalismo, que estava grassando com coisas e atitudes totalmente antibíblicas, como consequência, quando o grupo ou pessoa vinha na ED, ou mesmo em reuniões de culto com esses tais novidadismos, sendo admoestados para nos conservarmos atados aos ditames bíblicos, logo ouvíamos:

-Irmão eu estou ouvindo a Deus em “MEU ministério e exercendo como Deus me indicou”

Na ED muitas vezes ouvíamos: “Deus hoje pela manhã me deu uma mensagem para trazer a esta igreja e eu vou falar” e la vinha um monte de heresias doutrinárias.

Quando admoestados, mais uma vez vinha a fala, estou exercendo o “MEU ministério”.

Dai às praticas mais exóticas tais como: Cair no espirito, com direito a alguns hematomas e ou coisas um pouco mais pesadas, gritos histéricos, glossolalia, profetadas, convites para o púlpito e pregadores de doutrinas contraria a bíblia.

Nos últimos tempos Gedozismos, Encontros Tremendos com Deus” Sermões exaltando lideres do passado como forma de estabelecer ligações atuais de obediência aos homens de Deus, etc.

Essas atitudes, pouco tempo depois fez com que um Concílio de Bispos desse uma carta a igreja alertando e indicando o cuidado a ser observado com a introdução em nosso meio do sistema G12.

E pasmem depois de dois anos um bispo que, assinara o dito alerta contra o G12, lidera a transformação das igrejas em igrejas Celulares, tive a oportunidade de perguntar a um seu representante que me orientasse:

-Quando foi que o Espirito Santo havia orientado o referido Bispo, quando assinara o documento alertando que o sistema G12 era uma redonda heresia, ou agora que transformava a igreja em Igreja Celular no sistema G12”.

Como resposta obtive a seguinte pérola:

-Irmão, o senhor não precisa de Pastor e nem de bispo, já que se acha com sabedoria superior a eles, e saiba que como tudo o evangelho se moderniza e se adapta as novas circunstâncias. ( para mim, redonda mentira)

Só me restou dizer-lhe que sim eu seguiria sua orientação, não precisaria mais de pastor e nem de bispo que se esquecem que Deus é o mesmo ontem, hoje e sempre e que “Verbum Domine Manet In Aeternum.

Liberdade é como o ar que respiramos, que quando não é puro, é por única e exclusiva nossa culpa.

Nisto em regra de fé a Bíblia sagrada me parece a orientação mais segura pois afirma que o conhecimento da verdade é o que nos traz a liberdade. João 8:32.


Deus tenha piedade de nós, neste mundo repleto de hipocrisia do politicamente correto em detrimento da verdade.

V.D.MI.Ae.


.






terça-feira, 17 de novembro de 2015

Parem o mundo, esta tudo errado.




Estou hå um bom tempo sem comparecer por aqui, não sei ao certo a razão, talvez um desencantamento com a vida em razão da idade, um  desacoroçoamento em relação ao falar e não se sentir ouvido, nem mesmo dentro do próprio ambiente onde vivo.

Mas é    impossivel ficar  calado diante de tanta  diatribe ouvida por aí.

O mundo parece  estar exposto a uma loucura coletiva  que atinge até mesmo mentes que se afiguram mais bem preparadas.

As mentiras   mais deslavadas são  frequentemente aceitas como lapidares verdades, até  mesmo aquelas   contadas por contumazes e conhecidos mentirosos.

A   verdade é  distorcida de forma grotesca, o que bastaria para desqualificar  quem assim procede, mas essas   distorções  acabam sendo aceitas até mesmo quando lhes falecem a lógica.
Vejam  sem ardores ideológicos  o que está ocorrendo no meio político não somente no âmbito nacional, mas no mundial, parece que ser corrupto é apanagio de homens públicos, a mentira é coisa do dia a dia, a traição não só no âmbito familiar, mas também no mundo dos negócios, dos esportes ,da arte  é tido como sinal de esperteza.

Nos passamos por uma enorme crise,que nos mostra sua cara e seus visíveis efeitos na economia, mas sua origem  nos a encontramos na falha moral  e ausência de caráter.

Tentamos resolver todos os nossos problemas com leis,tais como a lei da palmada, lei do idoso lei do suicidio assistido, lei que define o que é uma família,etc, etc.   como se com leis podemos regularmos a moralidade, a ética   e o respeito  humano.

Estamos a correr atrás de mosquitos enquanto engulimos  elefantes; essa interferência na vida das pessoas perpassa todas as instancias: querem que comamos isto ou aquilo, façamos tais ou quais exercícios com tal frequência, e por ai vai...

Interessante que impingir doutrinas e ou dogmas,ideologias; como se tais ensinamentos ou normas representassem a mais pura  e insofismável verdade, vendem nos fé, elementos reforçadores de fé, como  o caminho para uma vida nova, cheia de bens materiais e ou benesses econômicas como nunca antes vi nestas setenta e cinco    orbitas percorridas.

Os sevandijas  se    encontram de tal sorte inseridos em  todas as instancias sociais inclusive e ou  precisamente na IGREJA.

Para isso   o alerta  data de   1925 anos, pelo    apostolo João na sua segunda carta, versos 7 em diante e atentem bem à recomendação dos versos 10 e 11.

Deus tenha piedade de todos nós apesar de nós mesmos...

V.D.M.I.Ae.

sábado, 14 de novembro de 2015

Doceo, docui,docere, Educar...!!! Drama dos dias de hoje.


Republicação por oportuno.


Quando em uma reunião afirmei que os professores em sua maioria, ensinam aos alunos apenas conteúdo, fui alvo de muitas críticas do tipo:
-Não é verdade, nos faltam condições
. -Você não tem razão, o professor esta desmotivado, veja o salário. -
Você não tem espírito de classe, por isso fala essas asneiras... Professor, você precisa tomar vergonha de atacar sua própria classe e parar com essa verborragia destrutiva... e assim por diante, fora o que não vou reproduzir por aqui, por não querer desrespeitar ninguém.
Educar, transmitir, conduzir, a mim parece muito longe de introduzir conceitos na cabeça de, principalmente crianças.
Outro ponto importante no conceito de educar, é que não conseguimos ensinar a quem não quer aprender.
Dai a afirmação de que a grande maioria dos professores ministram conteúdos.
Essa afirmação é também verdade para os púlpitos, as Escolas Dominicais, as pregações, e ou orientações dos Discipuladores de nossa igrejas; estes não se comportam diferentemente do que os professores das escolas seculares.
Querem introduzir conteúdos, dogmas, ideologias, conceitos, frases feitas, esta é também uma das razões pelas quais, hoje querem lavagens cerebrais dos "encontros tremendos",assim os alunos ficam mais dóceis e aptos a receberem quaisquer besteiras que lhes se coloquem a frente.
Conduzir é o segredo, não é sem razão que Jesus se refere ao Pastor de ovelhas, ele não as empurra a um pasto, mas as conduz, e elas vão, pois assimilam que aquele que está a frente sempre lhes proporcionará alimento saboroso e água tranquila. Leia Salmo 23.
Jesus quando do inicio de seu ministério, não realizou seminários de capacitação, E NEM,-(perceberam a sutileza), vestibulares para escolher os doze, nem os levou a "encontros com Deus" com três dias de isolamento, Ele não queria lavar-lhes o cérebro.
Os chamou, pois sabia que não poderia educar quem não o aceitasse.Jesus foi, e é objetivo.
Não escolheu a fina flor da elite letrada de Israel, foi buscar homens simples, como pescadores,( leia Mateus 4:18 ), eles eram capacitados em suas atividades, quero acreditar que os buscou no meio do povo, pois os queria com as mentes abertas e não eivados de pré conceitos, queria conduzi-los através de suas bagagens de informações adquiridas na vida.
Podemos depreender da leitura atenta dos evangelhos que Jesus, não lhes inculcou grandes teorias, e ou elucubrações mentais, mas os conduziu através de suas próprias vivências; preste atenção a algumas "conduções "(entenda lições ) do mestre:
-Sermão no monte (Mateus 5:1-12) onde estabelece condições para aqueles que habitarão o Reino de Deus.
Logo a seguir, menciona, "Vós sois o sal da terra" - primeiro ressalta sua característica de sabor, segundo o conhecimento da sua importância, pois era um meio de conservar alimentos, além de ser uma das formas de pagamento dos soldados romanos, daí a palavra salário, que usamos até nosso dias.
Com isso Jesus estimulava o cérebro de seus ouvinte, levando-os a elaborar seus conhecimentos pessoais com o que ouviam.
"Vós sois a luz do mundo", incitando-os a entender que a luz penetra nas trevas, impedindo esconder uma cidade edificada no alto, problema sério em uma civilização que vivia em guerra, pois uma cidade iluminada serviria de orientação segura para um ataque noturno. Desenvolvendo junto com seus ouvintes (alunos) o segundo conceito "Assim brilhe, também a vossa luz diante dos homens", para ressaltar as obras de Deus em suas vidas e para que os homens pudessem encontrar no meio nas trevas uma luz para onde se dirigir.
Faz a seguir, conforme registrado em Mateus, uma série de observações sobre a Lei vigente a de Moisés.
A sua não revogação da Lei, mas o cumprimento da mesma em seu ministério; Lei sobre o assassinato, aumentando o seu alcance, a morte moral; e assim vai, lei da reconciliação, lei do adultério etc.etc.
Caro irmão leia com atenção o evangelho registrado por Mateus, tomando o cuidado de observar que bom condutor (Professor) foi o Sr. Jesus; reparem que a seguir Jesus demonstra com sua atitudes e gestos o poder de que era revestido, não teve necessidade de retórica, grandes palcos, luzes, alto falantes, para demonstrar o quanto estava revestido do poder do Reino.
Reparem que Jesus, não criou classes do tipo de homens, mulheres,crianças etc., Jesus os instruía onde quer que estivesse, a beira mar, de dentro de um barco, em meio a uma tempestade e por aí vai.
Usou e abusou de parábolas, que estão espalhadas pelos quatro evangelhos, se bem me ocorre são em número de 30, e quase sempre contadas quando de uma oportunidade ímpar, como respostas a uma pergunta, ou a um pedido de orientação, como repreensão a alguma atitude de alguém.
As parábolas tinham, como por outro lado ainda têm, o mérito de colocar o ouvinte a elaborar a história ouvida com sua vivência ou duvida, permitindo que ele desenvolva um novo conceito (aprendizagem), esta, modificadora de sua vida.
Com seus discípulos, tecnicamente, de poucas letras, e com a sua conduta mansa, de um condutor (educador) firme, Jesus, lhes iluminou a vida e os colocou de tal forma que a história da humanidade se registra em nossos dias em A.C. e D.C, ou seja Antes de Cristo e Depois de Cristo.
Parece-me que se preparassemos nossos professores com base na pedagogia adotada pelo Mestre, e ou estudássemos mais atentamente o comportamento de Jesus, pelo menos no caminhar de nossa igreja, como pregadores das verdades de Deus, como professores de nossas crianças, principalmente vivendo as orientações que ministramos, estaríamos vivendo uma outra realidade, e não me venham dizer que isso são tempos novos, ou sinais dos tempos, até em razão de que quando me perguntam se eu tenho saudades de meu tempo, fico indignado e respondo, que apesar dos meus 76 anos, o meu tempo é hoje, aqui e agora.
Elaboramos regras, institucionalizamos a religião com observação de rituais, cerimoniais absurdos que apelam e desenvolvem os sentidos e emoções, em detrimento ao intelecto, o que nos afasta da limpidez e pureza dos ensinos de Jesus. Leia Efésios 2:8. Na vida intelectual acadêmica, compartimentamos o conhecimento em núcleos e nos esquecemos do homem  integral e que abarca toda a gama de vida que o cerca..
Precisamos muito mais que uma reforma da religião vigente, precisamos de uma revolução pessoal e interior, precisamos almejar o mérito de "Luz do mundo" do "Sal da Terra" e do "ame ao teu próximo como ati mesmo".

Deus tenha misericórdia de todos nós, apesar de nós mesmos.

V.D.M.I.Æ.

Ressurreição, a virada de Deus na historia da criação

Re

Republicacão.         .

original publicado  em 28 de abril de 2013

Ressurreição, a virada de Deus na historia da criação



Ressuscitar
Verbo transitivo direto com o significado, entre outros de igual teor, restabelecer, restaurar, estes ainda com a ligação direta de tornar a estabelecer e ou repor algo como originalmente estava estabelecido, criado e ou feito.
O alcance destas palavras sob o aspecto do cristianismo é de tão alto poder, que nós míseros humanos orgulhosos de nossos feitos e ou estabelecimentos, passamos ao largo de sua compreensão correta e ou total.
Entendemos desde logo, que o Cristo foi restaurado em seu corpo, tal qual estava por ocasião de sua morte física, é verdade que Ele foi restabelecido como fisicamente se encontrava por ocasião de sua morte física, inclusive as marcas que se Lhe foi infligidas durante o seu martírio. Prova disso é o testemunho de Tomé que se comportando como um cientista que exige provas alega que somente se O visse e tocasse nas marcas dos cravos, somente assim creria (João 20:24-25), no que foi satisfeito.
Mais do que a mera restauração de um corpo físico, neste ato divino está em jogo todo o pronunciamento de Deus, registrado desde a primeira Letra de Genesis, ate a ascensão de Jesus no retorno aos Céus, e toda a consequência posterior a esse fato, registrado na historia do homem.
Todos os atos dos homens ao longo da interferência divina foram carregados de mistificações de distorções e ou alegações relativamente às relações Deus homem, homem Deus, no intuito de estabelecer privilégios para impor o domínio de homem contra homem, com não poucas interferências, de pessoas que viam a necessidade da supremacia máxima de Deus na vida do homem e da comunidade por estes estabelecidas.
Assim foram os profetas e muitos outros ao longo da historia do homem, e todos estes que assim agiam, eram ou desacreditados e ou mortos por aqueles que queriam estabelecer-se como intermediários e interpretes das vontades de Deus.
Assim foi no máximo dessa atitude, nos dias de Jesus, em que o Sinédrio, os sumos sacerdotes, os doutores interpretes da Lei Mosaica, que não titubeavam em enxergar novas regras restritivas para a comunhão do homem com Deus, assim foi até que essa iniquidade alcançasse tal grau em que não mais restasse senão uma ação forte o suficiente para a volta ao plano inicial da criação, quando o homem foi criado e colocado em um jardim por Deus mesmo plantado, para que ali vivesse tomando conta dessa obra.
Uma ação que colocasse cobro a toda ordem de desarranjos, explorações, espertezas, maldades e injustiças, que os que se intitulavam intermediários entre o povo e Deus vinham cometendo em um crescendo insuportável  aniquilando as pessoas e as impedindo o livre contato com Deus, como outrora  Ele o fazia com o homem no Éden.
Ali no Jardim, quando da desobediência, Deus deixou de se fazer visto em pessoa, mas ainda assim fazia se ouvir e ouvia o homem, disso a prova é o dialogo que Deus manteve com Caim, como o registro em Gênesis 4: 1-16, quando então Caim corta o seu relacionamento com Deus retirando-se de sua presença, daí em diante esse afastamento se aprofunda por parte do homem.
Apesar disso em momento algum existe o registro que Deus tenha abandonado o homem, o que ocorreu desde então é que o homem a cada momento introduziu empecilhos para esse dialogo homem/Deus, com criação de dogmas, leis, interpretações particulares, filosofismos, etc;
A coisa decorreu de tal maneira, que houve a necessidade do cumprimento total e cabal da Lei, sob pena de que Deus embarcasse no roldão das injustiças que se praticavam em seu nome, como em nossos dias o fazem o que se dizem Seus representantes.
Houve então a necessidade da execução do termo legal por Deus estabelecido em sua Lei que esta registrada em Ezequiel 18:4 e isso somente poderia ser realizado de forma que houvesse o cumprimento total do preceito legal (a morte do pecador), logo todos os homens deveriam morrer, e a possibilidade de um princípio que restabelecesse a criação, inclusive a do homem em seu primitivo estado no ato criativo de Deus, que quando o fez, “Viu que tudo era bom”. 
Esse caminho necessário para satisfazer  esse preceito, teria que passar pela imolação de um homem integro e sem pecado, e essa imolação teria que cumprir a necessidade de o sacrificado o ser em maldição carregando em Sí o pecado de todos, daí Jesus o unigênito de Deus, varão perfeito, da linhagem de Davi e seu encontro com a Cruz, o madeiro maldito, e o restabelecimento da criação em sua situação original  da criação, antes do pecado do homem.
Em meio à história, Deus suscitou homens, e os capacitou para que fizessem uma tentativa de restauração ás verdades  restabelecidas em Cristo e registradas no que se convencionou chamar de Bíblia, mas isso foi de muito curta duração, aí esta a história para quem queira ver, ou melhor, ler o que aconteceu no culminar da Reforma protestante do século XVI, mas essas tentativas de restauração da verdade e da busca de um contato Deus/homem, ocorreram em vários outros locais e por vários outros homens e ou povos, mas sempre sufocadas pelos interesses das vantagens de uma mediação, que não a Jesus.
Infelizmente estamos vivendo um momento em que a iniquidade, o desrespeito,os falsos profetas, o escárnio para com as coisas Divinas, a falsidade e o desamor está alcançando os níveis insuportáveis como esta  registrado em Mateus 24: 9-15.
Quando  tentamos nos ater à verdade,  a verdade bíblica, não admitindo desvios, somos tachados de radicais, de fundamentalistas, de legalistas, a ponto mesmo de termos que nos desadunar(1), e nos limitarmos a uns quantos outros que vivem e buscam a liberdade que a simplicidade  da verdade de Cristo nos dá.
Daí podermos entender o significado da  Bíblia quando diz que: muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos, pois quando vier a colheita, não a colheita dessa semeadura de prosperidade e de benesses, mas a verdadeira colheita comandada por Deus e realizada por seus anjos, ai quando  então houver a separação entre o trigo e o joio, veremos que o monte do Joio destinado ao fogo será, com tristeza o digo, será muito maior do que o monte do trigo. Mateus 13: 24-30, mas antes de mais qualquer outra coisa seja feita a vontade de Deus hoje e sempre.
Um barão aborrecido com tudo isso.
V.D.M.I.Ae.

(1)  Descongregar


sábado, 29 de agosto de 2015

Verdadeiro louvor

https://youtu.be/w8WLBN4F7v0

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Capiroto comendo pelas beiradas, cuide-se...




Vejam o caminho que estamos trilhando, enquanto evangelicos correm atras do dizimo, das duzias, de adular e receber em seus meios comunistas ateus, discutir se somos salvos pré ou pós aceitação de Cristo, procurar  ver quem está com a razão,  se arminio ou calvino.
Enquanto isso o capirpoto, avança pelas beiradas.
ARREPENDIMENTO,  NOVO NASCIMENTO NO ESPIRITO, VIDA RENOVADA, bem isso fica para depois do Congresso o da prosperidade, o da formação de lideres, o da vitória ETC . DEPOIS A GENTEM FALA DE CRISTO E DA RESSURREICAO,  SE DER TEMPO.

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/atencao-judeus-e-humanistas-de-todas-as-origens-um-ato-explicito-de-antissemitismo-na-universidade-federal-de-santa-maria-e-ai-vai-ficar-por-isso-mesmo/