Páginas

sábado, 14 de novembro de 2015

Doceo, docui,docere, Educar...!!! Drama dos dias de hoje.


Republicação por oportuno.


Quando em uma reunião afirmei que os professores em sua maioria, ensinam aos alunos apenas conteúdo, fui alvo de muitas críticas do tipo:
-Não é verdade, nos faltam condições
. -Você não tem razão, o professor esta desmotivado, veja o salário. -
Você não tem espírito de classe, por isso fala essas asneiras... Professor, você precisa tomar vergonha de atacar sua própria classe e parar com essa verborragia destrutiva... e assim por diante, fora o que não vou reproduzir por aqui, por não querer desrespeitar ninguém.
Educar, transmitir, conduzir, a mim parece muito longe de introduzir conceitos na cabeça de, principalmente crianças.
Outro ponto importante no conceito de educar, é que não conseguimos ensinar a quem não quer aprender.
Dai a afirmação de que a grande maioria dos professores ministram conteúdos.
Essa afirmação é também verdade para os púlpitos, as Escolas Dominicais, as pregações, e ou orientações dos Discipuladores de nossa igrejas; estes não se comportam diferentemente do que os professores das escolas seculares.
Querem introduzir conteúdos, dogmas, ideologias, conceitos, frases feitas, esta é também uma das razões pelas quais, hoje querem lavagens cerebrais dos "encontros tremendos",assim os alunos ficam mais dóceis e aptos a receberem quaisquer besteiras que lhes se coloquem a frente.
Conduzir é o segredo, não é sem razão que Jesus se refere ao Pastor de ovelhas, ele não as empurra a um pasto, mas as conduz, e elas vão, pois assimilam que aquele que está a frente sempre lhes proporcionará alimento saboroso e água tranquila. Leia Salmo 23.
Jesus quando do inicio de seu ministério, não realizou seminários de capacitação, E NEM,-(perceberam a sutileza), vestibulares para escolher os doze, nem os levou a "encontros com Deus" com três dias de isolamento, Ele não queria lavar-lhes o cérebro.
Os chamou, pois sabia que não poderia educar quem não o aceitasse.Jesus foi, e é objetivo.
Não escolheu a fina flor da elite letrada de Israel, foi buscar homens simples, como pescadores,( leia Mateus 4:18 ), eles eram capacitados em suas atividades, quero acreditar que os buscou no meio do povo, pois os queria com as mentes abertas e não eivados de pré conceitos, queria conduzi-los através de suas bagagens de informações adquiridas na vida.
Podemos depreender da leitura atenta dos evangelhos que Jesus, não lhes inculcou grandes teorias, e ou elucubrações mentais, mas os conduziu através de suas próprias vivências; preste atenção a algumas "conduções "(entenda lições ) do mestre:
-Sermão no monte (Mateus 5:1-12) onde estabelece condições para aqueles que habitarão o Reino de Deus.
Logo a seguir, menciona, "Vós sois o sal da terra" - primeiro ressalta sua característica de sabor, segundo o conhecimento da sua importância, pois era um meio de conservar alimentos, além de ser uma das formas de pagamento dos soldados romanos, daí a palavra salário, que usamos até nosso dias.
Com isso Jesus estimulava o cérebro de seus ouvinte, levando-os a elaborar seus conhecimentos pessoais com o que ouviam.
"Vós sois a luz do mundo", incitando-os a entender que a luz penetra nas trevas, impedindo esconder uma cidade edificada no alto, problema sério em uma civilização que vivia em guerra, pois uma cidade iluminada serviria de orientação segura para um ataque noturno. Desenvolvendo junto com seus ouvintes (alunos) o segundo conceito "Assim brilhe, também a vossa luz diante dos homens", para ressaltar as obras de Deus em suas vidas e para que os homens pudessem encontrar no meio nas trevas uma luz para onde se dirigir.
Faz a seguir, conforme registrado em Mateus, uma série de observações sobre a Lei vigente a de Moisés.
A sua não revogação da Lei, mas o cumprimento da mesma em seu ministério; Lei sobre o assassinato, aumentando o seu alcance, a morte moral; e assim vai, lei da reconciliação, lei do adultério etc.etc.
Caro irmão leia com atenção o evangelho registrado por Mateus, tomando o cuidado de observar que bom condutor (Professor) foi o Sr. Jesus; reparem que a seguir Jesus demonstra com sua atitudes e gestos o poder de que era revestido, não teve necessidade de retórica, grandes palcos, luzes, alto falantes, para demonstrar o quanto estava revestido do poder do Reino.
Reparem que Jesus, não criou classes do tipo de homens, mulheres,crianças etc., Jesus os instruía onde quer que estivesse, a beira mar, de dentro de um barco, em meio a uma tempestade e por aí vai.
Usou e abusou de parábolas, que estão espalhadas pelos quatro evangelhos, se bem me ocorre são em número de 30, e quase sempre contadas quando de uma oportunidade ímpar, como respostas a uma pergunta, ou a um pedido de orientação, como repreensão a alguma atitude de alguém.
As parábolas tinham, como por outro lado ainda têm, o mérito de colocar o ouvinte a elaborar a história ouvida com sua vivência ou duvida, permitindo que ele desenvolva um novo conceito (aprendizagem), esta, modificadora de sua vida.
Com seus discípulos, tecnicamente, de poucas letras, e com a sua conduta mansa, de um condutor (educador) firme, Jesus, lhes iluminou a vida e os colocou de tal forma que a história da humanidade se registra em nossos dias em A.C. e D.C, ou seja Antes de Cristo e Depois de Cristo.
Parece-me que se preparassemos nossos professores com base na pedagogia adotada pelo Mestre, e ou estudássemos mais atentamente o comportamento de Jesus, pelo menos no caminhar de nossa igreja, como pregadores das verdades de Deus, como professores de nossas crianças, principalmente vivendo as orientações que ministramos, estaríamos vivendo uma outra realidade, e não me venham dizer que isso são tempos novos, ou sinais dos tempos, até em razão de que quando me perguntam se eu tenho saudades de meu tempo, fico indignado e respondo, que apesar dos meus 76 anos, o meu tempo é hoje, aqui e agora.
Elaboramos regras, institucionalizamos a religião com observação de rituais, cerimoniais absurdos que apelam e desenvolvem os sentidos e emoções, em detrimento ao intelecto, o que nos afasta da limpidez e pureza dos ensinos de Jesus. Leia Efésios 2:8. Na vida intelectual acadêmica, compartimentamos o conhecimento em núcleos e nos esquecemos do homem  integral e que abarca toda a gama de vida que o cerca..
Precisamos muito mais que uma reforma da religião vigente, precisamos de uma revolução pessoal e interior, precisamos almejar o mérito de "Luz do mundo" do "Sal da Terra" e do "ame ao teu próximo como ati mesmo".

Deus tenha misericórdia de todos nós, apesar de nós mesmos.

V.D.M.I.Æ.

1 comentários:

Gustavo De Castro Ribeiro disse...

Muito bom artigo, seu Guaracy, ganhou um fã para acompanhar o blog. Abraço!